Polícia Civil encontra corpo de mulher desaparecida em Juiz de Fora

A Polícia Civil de Minas Gerais localizou nessa terça-feira (10), o  corpo de Claudia de Paiva Rezende Alves, de 47 anos, próximo ao Bairro Barreira do Triunfo, na Zona Norte de Juiz de Fora. Segundo informações passadas pelo Delegado Rafael Gomes, o suspeito de ter matado Claudia teria sido o ex-marido Jaime Tristão de 41 anos, pois os elementos acolhidos para o inquérito apontam envolvimento no crime. No início de novembro, o Ministério Público de Minas Gerais denunciou o homem por feminicídio e ocultação de cadáver.

Um dos elementos que apontam para envolvimento de Jaime no crime é o seu telefone celular. O Delegado Rafael informou que fez uma solicitação à Justiça para que a empresa Google liberasse informações a respeito da localização do celular de Jaime no dia do desaparecimento de Claudia “A empresa repassou para a Polícia Civil as localizações do celular de Jaime no dia do crime. Comprova que ele esteve naquela região, porém devido a extensão do local, era difícil fazer uma varredura para localização do corpo.”, explicou Rafael.

Além do rastreamento do aparelho eletrônico, as investigações obtiveram acesso às conversas no aplicativo WhatsApp entre Jaime e Claudia “As conversas mostram extremos de ódio e amor entre os dois, com oscilações muito rápidas. Há diversos áudios em que Jaime fala que não aguentava mais o ciúme de Cláudia”, revelou.

De acordo com a autoridade policial, durante fiscalizações realizadas pela equipe da 1ª Delegacia de Polícia Civil, o corpo foi encontrado em um matagal, com avançado estado de decomposição. “Devido à troca de informações entre as Delegacias, os investigadores da Delegacia de São Mateus entraram em contato e nossa equipe foi até o local, após acionamento da perícia. No matagal, o corpo foi localizado com as mesmas roupas que a vítima usava quando foi vista pela última vez. O reconhecimento formal foi feito pela irmã de Claúdia no Instituto Médico Legal (IML)”, explicou.

Sobre o suspeito de matar Claudia, o Delegado explica que o autor do crime se encontra em sistema prisional “Ontem (segunda-feira), também intimamos o suspeito, mas ele disse que só irá se manifestar em juízo”, contou. Ainda segundo ele, o Ministério Público de Minas Gerais denunciou o ex-companheiro de Claúdia pelos crimes de feminicídio e ocultação de cadáver. “Estamos no aguardo agora do resultado de exames realizados no carro e no casaco que o suspeito teria utilizado no dia do crime para relatar e enviar o inquérito policial à Justiça”, finalizou. 

Nesta sexta-feira (13) uma audiência de instrução sobre o caso será realizada no Tribunal do Júri, a partir das 13h30. Nesta etapa, o Ministério Público e a defesa dos réus apresentam provas para comprovar as versões dadas ao processo.Também serão ouvidas testemunhas e informantes.

 

Entenda o caso

No dia 8 de julho deste ano, o suspeito Jaime Tristão, teria registrado um Boletim de Ocorrência relatando o desaparecimento de Claudia, na Zona Norte de Juiz de Fora. Mais adiante, familiares também procuraram a 3ª Delegacia de Polícia Civil, responsável pela área.

No primeiro depoimento, Jaime informou que no dia do desaparecimento, teria saído  da residência dele de manhã e, por volta de meio dia, teria ido a um bar com amigos e ficado no local até a noite, se dirigindo, em seguida, a uma exposição agropecuária. “No entanto, os amigos foram ouvidos e disseram que ele teria saído do bar à tarde e eles só encontraram com ele à noite. O suspeito foi ouvido novamente e apresentou versões conflitantes”, disse.

As investigações analisaram as imagens de câmeras de segurança, que apontam Jaime como a última pessoa vista na companhia da Claúdia. “No dia desaparecimento dela, Claúdia estava dentro da padaria, em Nova Era, e ele passou com o carro em frente ao estabelecimento, dando a volta no quarteirão e parando o carro na rua principal por cerca de um minuto. Em seguida, ele chegou a ligar para a ex-mulher e consta a imagem que ela saiu da padaria e eles convergem na mesma rua”, disse, complementando que, depois disso, não há imagens dela na rua e o veículo se desloca do local.

De acordo com a autoridade policial, o carro de Jaime foi apreendido, durante as investigações. “Foi realizado exame que apontou que há indícios de sangue no encosto de cabeça do banco do motorista e na porta esquerda. Há também indícios de sangue no casaco que ele utilizava no dia do desaparecimento”, concluiu.

 

Compartilhe




Receba nossa Newsletter gratuitamente


Digite a palavra e tecle Enter.