Vigilância Epidemiológica alerta sobre importância da vacinação contra o sarampo

Em 2016, o Brasil recebeu o certificado de eliminação da circulação do vírus do sarampo, pela Organização Mundial de Saúde (OMS), declarando a região das Américas livre da enfermidade. Desde 2018, porém, a incidência de casos da doença voltou a acontecer. Em 2019, o maior número de casos é registrado nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia.

Em Juiz de Fora, segundo dados do Setor de Imunização, da Secretaria de Saúde (SS), na última campanha de vacinação contra o sarampo, realizada em 2018, a cobertura atingiu o índice de 95,68%. De acordo com registros do Departamento de Vigilância Epidemiológica e Ambiental (Dvea), a cidade não registra casos da doença há mais de uma década. Os números apontam que o município está no caminho certo, mas é necessário manter esse quadro.

O Rio de Janeiro é um dos municípios que mais apresenta casos da doença em seu estado. De acordo com a gerente do Dvea, Cecília Kosmann, “devido à proximidade do Rio com Juiz de Fora, o departamento adotou como medida de prevenção alertar sobre a importância de manter a vacinação contra o sarampo em dia, uma vez que a imunização é fundamental, para que a cidade não apresente casos da doença”.

A recomendação do Ministério da Saúde é de que sejam imunizadas crianças de seis meses a menores de um ano de idade, que se deslocarão para municípios que apresentam surto ativo de sarampo (lista em anexo). Os responsáveis devem se dirigir até uma unidade de saúde com, no mínimo, 15 dias de antecedência à data da viagem, para que haja tempo hábil do corpo produzir anticorpos contra o vírus. Ressalte-se que esta dose não é válida para fins do calendário nacional de vacinação da criança, ou seja, com um ano deverá tomar a primeira dose, e com 15 meses a segunda, para que seja considerado imunizado.

Em Juiz de Fora, a vacina tríplice viral está disponível em todas as 63 unidades básicas de Saúde (UBS) e nas salas de vacina do Posto de Atendimento Médico (PAM Marechal) e do Departamento de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (DSMCA).

Esquema vacinal

A vacina contra o sarampo, conhecida como tríplice viral, faz parte do “Calendário Nacional de Vacinação”, e está disponível durante o ano todo nas salas de vacinação do município. São necessárias duas doses para a pessoa estar imunizada por toda a vida, ou seja, as doses administradas no passado são válidas, e não há necessidade de se vacinar novamente. É imprescindível que crianças, adolescentes e adultos estejam com a caderneta vacinal ao procurar uma unidade de saúde. Quem não tiver em mãos o cartão vacinal, e não souber se já foi imunizado, deve procurar a UBS de referência e explicar o caso.

Em crianças:

1ª dose: administrada aos 12 meses,

2ª dose: administrada aos 15 meses.

Em adolescentes e adultos até 29 anos: duas doses, com intervalo de 30 dias entre as doses.

Pessoas entre 30 e 49 anos: uma dose.

Contraindicações

A vacina é contraindicada em registro de imunodeficiências congênitas ou adquiridas (clínica ou laboratorial grave), infecção pelo HIV em pessoas com taxas de CD4 (células do sistema imunológico) menor que 15%, gestantes e pessoas com alergia grave aos componentes da fórmula.

Fonte: PJF

Compartilhe




Receba nossa Newsletter gratuitamente


Digite a palavra e tecle Enter.