Escolhidas para apitar no Mundial, as brasileiras Edina Alves e Neuza Back passam em testes físicos da FIFA

Indicadas pela FIFA para apitar no Mundial de Clubes Catar 2022, as brasileiras Edina Alves e Neuza Back, foram aprovadas em testes físicos elaborados pela entidade e consequentemente estarão presentes no torneio. Além disso, será a primeira dupla feminina a comandar um jogo de futebol masculino. Elas irão trabalhar com a assistente argentina, Mariana Almeida. O torneio está programado para começar no dia 4 deste mês.

A utilização do trio formado por mulheres no Mundial, será um grande passo dado pela entidade máxima do futebol, uma vez que é uma oportunidade de abrir as portas para as principais competições internacionais. 

Ambas estiveram presentes em algumas partidas do Mundial Sub-17 de 2017 e 2019, bem como de quatro jogos na Copa do Mundo Feminino sediada na França, incluindo a semifinal entre Estados Unidos e Inglaterra.

Após a aprovação nos testes, Neuza fala sobre o desafio e também da responsabilidade que carrega para o Mundial:

“É o maior desafio da nossa carreira. É a primeira vez que vai ter mulher no evento adulto, a gente precisa ir lá e corresponder para que essa porta fique aberta. (…) Eu e Edina sempre pedíamos para ir em competições masculinas internacionais. Agora está chegando essa oportunidade. Precisávamos passar no teste físico e, agora que passamos, dá para comemorar que a gente vai”.

Presentes no quadro de arbitragem da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), a dupla viaja ao Catar para fazer história e também representar o sonho de todas as mulheres, uma vez que será um capítulo marcante no futebol:

“Felicidade imensa em poder representar o nosso país. Eu tenho um orgulho muito grande de representar o Brasil em eventos da FIFA, da Conmebol e quero desempenhar um bom trabalho. Porque nós tivemos grandes árbitros em competições da FIFA e da Conmebol e não quero decepcionar eles, nem a minha família”, afirmou Edina. 

A notícia da indicação feita pela FIFA

Há aproximadamente duas semanas atrás, Edina e Neuza retornavam de mais um treinamento, quando receberam uma chamada telefônica de Leonardo Gaciba, atual Presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, falando sobre a indicação da dupla para o Mundial:

“Ele ligou e falou: ‘vocês estão dirigindo?’. Eu disse que sim e ele mandou encostar o carro. Foi aí que ele falou: ‘vocês foram convocadas para ir ao Mundial de Clubes’. E eu fiquei meio ‘ah, tá… legal’. Desliguei o telefone e perguntei para a Edina se a gente ia mesmo para o Mundial de Clubes. Ela disse que sim, nós saímos do carro, ela me deu um abraço, pulou”, contou a assistente.

Após a confirmação, a dupla iniciou a intensa preparação, em meio aos jogos do Campeonato Brasileiro. O circuito, que incluiu testes de agilidade, mudança de direção, pique e resistência, foi repetido à exaustão nos dias anteriores à prova:

“Tudo é adaptação e treino. É igual jogador. Quando ele deseja ser cobrador de falta, quantas vezes ele vai treinar para ter essa habilidade, chegar lá e saber o jeito de bater na bola? Você tem que vir na pista treinar, adaptar a respiração, que precisa de um controle muito bom, o mental também”, contou Edina.

Realização das provas

Os exercícios foram realizados Complexo Esportivo Doutor Nicolino de Lucca, em Jundiaí-SP, no último sábado (16). Apesar da pista atlética ter ficado úmida, a dupla trabalhou insistentemente na busca pelo sonho. 

Após uma série de aquecimento,  a prova começou com corridas curtas, trocando de direção. Depois, tiros médios, com a assistente sempre batendo o tempo. Na força e na vontade, e com gritos de “Boa, Neuza! Vamos!”, feitos por Edina, a assistente obteve êxito em concluir a prova de resistência, com dez voltas em diferentes velocidades na pista, e bateu todos os tempos necessários:

“A parte mais difícil é ficar torcendo para a companheira passar também. Como a gente é uma equipe, se uma reprovar, compromete o trabalho de todas. Além de você fazer a sua parte, você fica na torcida e agoniada para ver a tua parceira passar também”, revelou Neuza.

A etapa seguinte foi a vez de Edina fazer as atividades e de Neuza dar apoio à companheira. Edina fez o circuito de movimento lateral, os pequenos tiros e, depois, a corrida de resistência. Nas voltas finais, Neuza se juntou à corrida e esteve ao lado de Edina, para dar motivação a mais. E sempre que a via se distanciar para mais uma volta, dizia: “Você é a mulher mais forte que eu conheço. Você tem muita força!”. Foi nessa pegada que Edina terminou a prova e confirmou a realização de um sonho para as duas: elas estarão no Mundial.

Agradecimentos

Com o encerramento das atividades, Edina fez agradecimentos a Leonardo Gaciba e ao presidente da CBF, Rogério Caboclo:

“Agradeço aos que estão no comando da CBF, ao Leonardo Gaciba e ao Presidente Rogério Caboclo, que abrem sempre as portas e dão oportunidades para nós. Não pensam no gênero e sim na capacidade. Eu só queria trabalhar em um jogo da Série A do Brasileiro. Eu passei minha carreira inteira falando isso para os meus amigos e para as pessoas que me conheciam. Às vezes, eu achava que estava pedindo errado, porque eu cheguei a bandeirar, ser quarta árbitra e adicional na Série A. Eu realizei esse sonho em 2019 e, depois disso, a minha vida mudou”.

Além da confiança das pessoas, as conquistas de Edina e Neuza são fruto de muito suor e competência. Desta forma, quando apareceram as oportunidades, elas fizeram por merecer cada vez mais espaço. Foi assim que o sonho da dupla se tornou mais do que realidade. Virou história:

“Graças a Deus, as coisas vêm acontecendo, mas a gente trabalhou muito para isso. Eu estou com 22 anos de carreira, formada há 20 anos e não é fácil. Já caímos e já levantamos, mas nunca desistimos. Assim como outras criaram esse espaço para nós, e estamos seguindo ele, nós vamos deixar um espaço para as próximas seguirem também”, concluiu a árbitra.

Compartilhe




Receba nossa Newsletter gratuitamente


Digite a palavra e tecle Enter.